Rui Nunes, ou a pequena história dos gestos

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.31921/microtextualidades.n9a3

Palabras clave:

Rui Nunes, olhar, escrita, gesto, corpo, ruína.

Resumen

Na literatura portuguesa contemporânea, Rui Nunes (n. 1945) destaca-se pela singularidade inclassificável da sua escrita, na qual a crise da representação do humano, da identidade, do corpo, é levada a uma zona limite que torna indiscerníveis, porque mutuamente implicados, uma radical crise genológica e as fragilidades físicas do próprio autor: uma miopia progressiva leva-o a exacerbar a monstruosidade do pormenor, do descontínuo e do fragmento, em detrimento das “grandes coesões” textuais, orgânicas ou metafísicas. Desfazendo o mundo, dos objectos às personagens, em “escombros” e “ruínas”, o humano é reconduzido ao absurdo da “carne”, esvaziada de qualquer fundamento ontológico. É essa escrita-olhar que está no âmago deste ensaio, articulando-se, para o efeito, com o “momento qualquer” na literatura segundo Jacques Rancière, o poeta Henri Lefebvre, um poema de Rilke e o problema do “corpo paliativo” segundo Byung-Chul Han.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Alferi, Pierre. Procurar uma frase. Trad. Maria Teresa Cruz. Lisboa: Vega, 1999.

Auerbach, Erich. Mimesis. A representação da realidade na literatura ocidental. Trad. Equipa Editora Perspectiva. 4.ª ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2001.

Coelho, Eduardo Prado. O Cálculo das Sombras. Porto: Asa, 1997.

Coelho, Eduardo Prado. A Escala do Olhar. Lisboa: Texto Editora, 2003.

Derrida, Jacques. Memórias de Cego. O auto-retrato e outras ruínas. Trad. Fernanda Bernardo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2010.

“Entrevista a Rui Caeiro”, Jogos Florais, 17 de Abril de 2018, disponível em https://www.jogosflorais.com/entrevista/2018/9/entrevista-a-rui-caeiro (último acesso: 10 de Janeiro de 2020).

Gil, José. O Tempo Indomado. Lisboa: Relógio D’Água, 2020.

Han, Byung-Chul. A Sociedade Paliativa – A dor nos nossos dias. Trad. Ana Falcão Bastos. Lisboa: Relógio D’Água, 2020.

Lefebvre, Henri. As peças que faltam. Trad. Ricardo Nicolau. Lisboa: BCF, 2019.

Martins, Manuel Frias. “A raiva metódica da escrita de Rui Nunes”, in AA.VV. Rui Nunes – Antologia Crítica e Pessoal. Lisboa: Roma Editora, 2009.

Nunes, Rui. “Quem da pátria sai a si mesmo escapa?”. Lisboa: Relógio D’Água, 1983.

Nunes, Rui. Sauromaquia. 2.ª ed. Lisboa: Relógio D’Água, 1986.

Nunes, Rui. Álbum de Retratos. Lisboa: Relógio D’Água, 1993.

Nunes, Rui. Que sinos dobram por aqueles que morrem como gado?. Lisboa: Relógio D’Água, 1995.

Nunes, Rui. Cães. Lisboa: Relógio D’Água, 1999.

Nunes, Rui. O Mensageiro Diferido. Lisboa: Relógio D’Água, 2005.

Nunes, Rui. A Mão do Oleiro. Lisboa: Relógio D’Água, 2011.

Nunes, Rui. Barro. Lisboa: Relógio D’Água, 2012.

Nunes, Rui. Armadilha. Lisboa: Relógio D’Água, 2013.

Nunes, Rui. Nocturno Europeu. Lisboa: Relógio D’Água, 2014.

Nunes, Rui. A Crisálida. Lisboa: Relógio D’Água, 2016.

Nunes, Rui. A margem de um livro. Maia: Cosmorama, 2017a.

Nunes, Rui. Baixo Contínuo. Lisboa: Relógio D’Água, 2017b.

Nunes, Rui. Suíte e Fúria. Lisboa: Relógio D’Água, 2018.

Nunes, Rui. O Anjo Camponês. Lisboa: Relógio D’Água, 2020.

Descargas

Publicado

01-05-2021

Cómo citar

Barbosa Martins, D. A. (2021). Rui Nunes, ou a pequena história dos gestos. Microtextualidades. Revista Internacional De Microrrelato Y minificción, 1(9), 31–46. https://doi.org/10.31921/microtextualidades.n9a3